Seu e-mail foi cadastrado com sucesso

Receba nossas novidades por e-mail

Ao enviar seu e-mail você está aceitando receber as novidades da MDM e seus parceiros.

Fechar

Publicado em 07/11/2019

FACESP e MDM em Ato contra as Terceirizações na Saúde Pública

Centenas de ativistas e militantes da saúde se concentraram na tarde desta quarta-feira (06) para protestar e chamar atenção para o problema da entrega da saúde pública para entidades privadas, ou OSs (Organizações Sociais), como são conhecidas. Na verdade de social, elas não tem nada, abocanham mais da metade do orçamento de bilhões da saúde, e não prestam conta devidamente, do dinheiro recebido, obtendo lucros exorbitantes.

A saúde pública deveria ser oferecida por funcionários públicos, em unidades e hospitais públicos, para o público em geral. Além disso deveria se submeter ao controle social e a fiscalização dos Conselhos Gestores e Municipal de Saúde. Deveria oferecer quantidade e qualidade no atendimento a população que usa os serviços de atenção básica em saúde. Das 466 UBSs da Cidade, apenas 70 são totalmente públicas, e a Prefeitura (Bruno Covas) quer entregar mais 11 hospitais para essas “entidades”.

A verdade é que a promessa que foi vendida a mais de duas décadas atrás, nunca foi cumprida. Se não, todo hospital ou UBS não estaria com falta de médicos ou outros profissionais, haveria equipamentos funcionando plenamente, não faltariam medicamentos, nem insumos e a prefeitura estaria economizando dinheiro. Infelizmente é o oposto. A privatização e a terceirização atentam contra o SUS (Sistema Único de Saúde), pois encarece um sistema que não tem transparência com o uso do dinheiro público e pagam salários absurdos que podem chegar a 70 mil reais por mês. Só a união do povo e suas organizações populares e de trabalhadores podem reverter essa situação!

O ato que se concentrou em frente a Secretaria Municipal de Saúde, partiu em passeata pelas ruas do Centro da Cidade, seguindo para o prédio da Prefeitura. Os organizadores do Ato não foram recebidos pela Secretaria Municipal de Saúde, nem por ninguém do gabinete do Prefeito Bruno Covas, o que demonstra indisposição para o diálogo.

Matéria por Tonhão – Diretor Comunicação MDM

Compartinhe esta notícia:

Voltar ao Topo