Seu e-mail foi cadastrado com sucesso

Receba nossas novidades por e-mail

Ao enviar seu e-mail você está aceitando receber as novidades da MDM e seus parceiros.

Fechar

Publicado em 21/02/2020

Movimentos populares ao lado dos petroleiros, em defesa da Petrobrás

Na tarde desta quinta-feira(20), dezenas de associações, entidades, movimentos e sindicatos se uniram em frente ao MASP (Av. Paulista) para prestar solidariedade e apoio aos mais de 20 mil petroleiros, paralisados em 13 estados, e que chegam ao seu 20º dia de greve. De lá caminharam até a sede da Petrobrás, na mesma avenida, onde encerraram o protesto.Segundo Tonhão, que falou pela CONAM/FACESP “Os trabalhadores petroleiros fazem uma luta gloriosa em defesa de seus empregos, mas principalmente, em defesa da mais importante empresa do país. A luta dos petroleiros é a nossa luta e defender a Petrobrás é defender o Brasil!“.O movimento grevista começou quando, de forma autoritária, o governo mandou a Petrobrás fechar a Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná e demitir mais de mil trabalhadores. O fechamento da fábrica também vai prejudicar a economia dos municípios vizinhos e poderá causar aumento no preço da carne por causa da necessidade da importação do produto.Todo esse movimento feito por Guedes/Bolsonaro visa a privatização da Petrobrás, entregando às empresas estrangeiras toda a riqueza produzida pela nação brasileira. Além disso o governo aplica uma nova política de preços que vincula os preços da Petrobrás a variação do dólar e aos preços internacionais do petróleo. Para o povo, o resultado dessa negociata é o pior possível, e já está sendo sentido no seu dia a dia: aumentos abusivos do gás de cozinha e dos combustíveis e derivados (óleo diesel, gasolina e indiretamente o álcool).O governo e a Petrobrás precisam ouvir os petroleiros e abrir negociações que impeçam mais demissões, num país que já bate recorde de desemprego. Por outro lado o povo brasileiro precisa ser esclarecido da armação que tem sido feita contra a nação, transformando o Brasil numa colônia de exploração dos países ricos, abrindo mão de sua soberania, e do domínio sobre seu destino.

Matéria por Tonhão – Diretor Comunicação FACESP/Executiva CONAM

 

Compartinhe esta notícia:

Voltar ao Topo